Untitled Document
Voltar para a Home...   domingo, 25 de fevereiro de 2018
Siga-nos no Twitter...
Voltar para a Home...

Notícias Síndico News


20/7/2017
Uso correto dos elevadores sociais e de serviços
Existem regras estabelecidas nos edifícios para a finalidade de cada um

O uso do elevador social e de serviços pode criar algumas polêmicas no condomínio, enquanto o primeiro é para o transporte de pessoas, o segundo é para cargas. Mas existem regras estabelecidas nos edifícios para a finalidade de cada um, como determinar que os banhistas usem o de serviços, assim como no caso de transporte dos animais de estimação.
Nem todos cumprem, por isso a regra deve constar no regimento interno. Uma prática proibida no Brasil é estabelecer que os funcionários utilizem apenas o elevador de serviços. A Constituição Federal assegura a igualdade de todos perante a lei, sem distinção de qualquer natureza.

Discriminação
O advogado de Balneário Camboriú Giovan Nardelli observa que pelos fundamentos da Constituição Federal é vedada em edifícios públicos ou privada a utilização dos elevadores com critérios absolutamente pessoais. “Houve uma distorção da utilização dos chamados elevadores de serviço, que, a princípio, deveriam ser utilizados somente para o transporte de cargas. Em muitos casos, os espaços se transformaram em mecanismo de discriminação”, critica.
De acordo com o presidente do Sindicato dos Funcionários de Edifícios de Florianópolis (Seef), Rogério Manoel Corrêa, a distinção do uso do elevador para empregados está se tornando cada vez menos comum. “É importante utilizar o social até mesmo para facilitar a convivência entre os trabalhadores e os moradores”, defende. No Residencial Maria Regina, em Balneário Camboriú, não há discriminação. O funcionário e os prestadores de serviços só entram pelo elevador de serviço se estiverem carregando baldes ou outras cargas. “Somos todos iguais, não tem porque fazer essa separação”, lembra a síndica Daniela Freitas Mello.

Animais e banhistas pelo elevador de serviços
O elevador de serviços é por onde devem ser transportados carrinhos de supermercado, banhistas e animais. De acordo com o advogado Giovan Nardelli, o ideal é criar regras de transporte deliberadas em assembleia e apontadas no regulamento interno. “Se o condomínio conta com elevadores de serviço, pode determinar que os animais transitem exclusivamente por esse meio de transporte.
Ao contrário, exigir que o dono e o animal só transitem pelas escadas é abusivo, pois vai contra a própria dignidade humana.”, explica. O advogado também observa que dentro da regulamentação pode-se determinar o uso de focinheiras para raças maiores ou mais agressivas. É recomendável a obrigação do uso de coleiras para os animais de pequeno porte.
No caso dos banhistas, o condomínio pode exigir que trafeguem pelo elevador de serviços, “pois voltarão sujos de areia e resíduos do mar, como água salgada, que inclusive pode enferrujar objetos do equipamento”, destaca Nardelli.

CondomíniosSC

 



22/2/2018
3A Consultoria Predial - A visão do seu condomínio em nossas mãos
22/2/2018
MPF defende moradores sem condições de pagar condomínio em imóvel do Minha Casa Minha Vida
22/2/2018
Condomínios irregulares não podem cobrar taxas dos moradores.
22/2/2018
Comissão discute uso de grades na proteção de condomínios residenciais
22/2/2018
Ações para cobrança de condomínio dobram no Estado de São Paulo
7/2/2018
Chuvas de verão podem acarretar transtornos dentro dos condomínios
6/2/2018
Prédio cuja garagem cedeu no DF está com documentos desatualizados
6/2/2018
Juiz nega pedido de magistrada para reduzir taxa de condomínio
5/2/2018
Moradores de Cuiabá procuram condomínios fechados por segurança e tranquilidade
5/2/2018
Piso de garagem cede e esmaga carros de condomínio em Brasília

Untitled Document

Jornal Sindico News - Editora Santa Luiza Ltda.
Tel: 11 5573-0333 - São Paulo - contato@sindiconews.com.br
© COPYRIGHT 2012 - Todos os direitos reservados
 
1316101 visitas
 
Desenvolvido por