Untitled Document
Voltar para a Home...   sábado, 18 de agosto de 2018
Siga-nos no Twitter...
Voltar para a Home...

Notícias Síndico News


5/12/2017
Administradoras de imóveis sofrem para cobrar
Levantamentos apontam que houve um crescimento significativo de mais de 40% em vários estados do Brasil de ações

Daniel Moreira *

Diante da crise e suas consequências, como a inflação e o desemprego em alta, o orçamento de pessoas físicas e jurídicas mudou. Nestas circunstâncias, existem prioridades e escolhas na hora de pagar as contas. Atualmente, grande parte está deixando de pagar a taxa do condomínio onde reside ou trabalha.

Levantamentos apontam que houve um crescimento significativo de mais de 40% em vários estados do Brasil de ações judiciais por falta de pagamento das taxas de condomínio. Muitas administradoras apresentam dificuldades para receber os pagamentos, tendo índices de devedores aumentando a cada mês. Mesmo com tentativas amigáveis de conciliação extrajudicial e facilitando algum acordo, o êxito é muito pouco.

Considerando que a multa por atraso é de no máximo 2% e juros de 1% ao mês, o adiamento desta divida é mais viável do que comparado ao cartão de crédito e cheque especial, que vem ultrapassando os 10%.

Por mais que os condomínios e administradoras se planejem com uma previsão orçamentária para momentos de crise, o alto índice de inadimplentes vem quebrando essa programação do caixa.

O dilema é que, quando as pessoas deixam de pagar, o condomínio deixa de arrecadar, logo, o que se fazia com um valor, anteriormente, tem que ser feito com menos ou, então, não ser feito. Sob o aspecto jurídico, este tipo de dívida pode causar várias penalidades, podendo perder a unidade imobiliária e ser impedido de votar em assembléia.

Quando a negociação amigável não tem sucesso, a dívida se torna uma ação judicial, com consequências de uma execução, aumentando o débito por conta de custas judiciais e honorários advocatícios, podendo ser penhorado o próprio bem, leiloado para quitar a dívida existente com esse valor. Uma taxa de inadimplência de 10%, por exemplo, pode ser considerada saudável aos condomínios, porém, no presente cenário, está chegando a 35% em muitas capitais do país.

Neste contexto, as administradoras de imóveis e condomínios devem fazer parcerias com escritórios especializados nesta área do Direito a fim de promover métodos de cobranças eficazes, negociações ou a imediata ação judicial, antes que a dívida se torne impagável.

 



2/8/2018
Construtora não pode cobrar IPTU e condomínio antes de entregar chaves de imóvel
1/8/2018
Exigir ART é uma garantia para o síndico
1/8/2018
Está com o condomínio atrasado? Saiba o que pode acontecer
27/7/2018
Como lidar com a falta de segurança no meu condomínio?
27/7/2018
Os tutores e seus pets em condomínios e apartamentos
27/7/2018
Cármen Lúcia regulamenta regras de acessibilidade em prédios
24/7/2018
Como lidar com a inadimplência do seu morador?
24/7/2018
’Dr.Bumbum’ não paga condomínio há 10 anos e dívida já chega a R$ 500 mil
24/7/2018
Vizinho encrenqueiro poderá ser expulso do condomínio
24/7/2018
Aprovar obras de acessibilidade em condomínios pode ficar mais fácil

Untitled Document

Jornal Sindico News - Editora Santa Luiza Ltda.
Tel: 11 5573-0333 - São Paulo - contato@sindiconews.com.br
© COPYRIGHT 2012 - Todos os direitos reservados
 
1615858 visitas
 
Desenvolvido por