Untitled Document
Voltar para a Home...   sexta-feira, 28 de julho de 2017
Siga-nos no Twitter...
Voltar para a Home...

Artigos
PREVENÇÃO

Livre-se das pragas do verão
As altas temperaturas chegaram com tudo neste início de verão. Com elas, vieram também as pragas urbanas.

É preciso sempre fazer a desinfecção do condomínio e dos apartamentos através de uma empresa especializada. Se fizer de um só deles, o problema não acaba, pois as pragas costumam procurar locais sem tratamento para morar. O monitoramento e as visitas mensais são muito importantes para verificar se os produtos utilizados no tratamento precisam ser modificados.
O acúmulo de entulho e a sujeira atraem os animais sinantrópicos, que são aqueles adaptados a viver junto ao homem, mas sem o desejo dele. Enquanto a maioria dos animais desaparecem de áreas urbanizadas, como os pássaros silvestres, alguns conseguem se dar bem. Eles se alimentam do lixo, vivem em áreas que construímos ou se aproveitam de nossos hábitos para sobreviver.
Apesar de estarmos habituados com ratos e baratas, estes não são os únicos animais indesejados. Cada local, dependendo da sua fauna, possui seus seres. Em algumas cidades asiáticas, é comum encontrar enormes cobras no esgoto, que se alimentam de ratazanas, enquanto no sudeste asiático a lagartixa conhecida como tokay, que pode atingir até 35 centímetros, vive nas cidades se alimentando de baratas. Acidentes com estes animais são muito comuns.
Independente dos animais envolvidos, eles geram diversos problemas, pois todos carregam diversos parasitas, trazem doenças para dentro das casas. É papel do síndico garantir que a área sob sua administração se mantenha em condições mínimas de higiene.

Baratas
Provavelmente uma das mais asquerosas pragas do planeta, as baratas infestam o mundo inteiro desde antes da época dos dinossauros. O fóssil mais antigo tem 200 milhões de anos. Elas se alimentam de qualquer coisa. Desde açúcar, gordura, papel, restos de lixo e outros insetos mortos. Pra piorar a situação, costumam defecar enquanto comem, contaminando ainda mais o ambiente.
As baratas têm preferência pelos locais quentes e úmidos. Seu formato permite se esconder facilmente. De acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Biológicas, estima-se que na cidade de São Paulo existam pelo menos duzentas baratas por habitante.
As baratas passam cerca de 75% do tempo escondidas próximas ao alimento ou em áreas como caixas de gordura e batentes. Algumas vezes, essa infestação atrai aranhas e escorpiões (predadores naturais). Para evitar essa praga, é necessário colocar adequadamente o lixo em sacos bem fechados e dentro de latas. Os ralos devem ficar tapados. Porém, nem sempre essas medidas são suficientes. Se a situação foge do controle, é preciso contratar uma empresa especializada em dedetização. 
É complicado evitar a infestação de baratas, especialmente porque elas se alimentam nos esgotos de restos levados pela água e saem em busca de mais alimento. O melhor a fazer é manter a higiene adequada de todos os espaços e deixar os ralos e outros pontos de esgoto adequadamente tampados.
Para evitar a infestação de baratas, é preciso fazer a desinfecção dos ralos, grelhas, jardins, lixeiras e qualquer local de acúmulo de detrito que possa atrair estes insetos. No combate, as empresas costumam utilizar produtos químicos líquidos ou em gel.No combate são utilizados produtos líquidos desodorizados, icroencapsulados ou géis.

Ratos
Os condomínios podem ter sérios prejuízos caso não combatam os roedores. Os ratos menores são excelentes escaladores e estão sempre andando pelos fios do prédio. Os maiores costumam roer cabos elétricos e tubulações. Muitos curtos-circuitos e incêndios são causados por eles.
Como vivem em ambientes muito sujos e contaminados, onde podem se abrigar com segurança, os ratos são parasitados por diversas espécies de pulgas e piolhos. Por isso, têm grande potencial para transmitir doenças que podem até matar. A peste negra, peste bubônica, leptospirose, tifo e hantavirose são alguns exemplos de enfermidades gravíssimas transmitidas pelos roedores.
Exatamente por isso é necessário que o controle desta praga seja efetuada por empresas idôneas, as quais não incorrerão em erros banais. Alguns desavisados pensam que espalhar ratoeiras com queijo rançoso é o suficiente. Além disso, os raticidas são venenos perigosos e devem ser manuseados apenas por pessoas preparadas.
Tanto a prevenção quanto o combate são importantes e necessários nos condomínios. Porém, as medidas preventivas evitam a aplicação química de produtos mal direcionada, que podem intoxicar pessoas e animais.
A prevenção é feita através da limitação de acessos como, por exemplo, o fechamento de vãos de telhas, buracos em paredes, janelas e ralos. A higiene também deve ser seguida rigorosamente. O lixo tem que ser coletado diariamente. Pessoas que costumam alimentar seus animais a noite, não devem deixar as rações nos locais até o dia seguinte. Com estes procedimentos, é possível reduzir consideravelmente o aparecimento de roedores.
Em um edifício infestado com roedores, além da aplicação de iscas rodenticidas, é preciso verificar as condições do ambiente em relação à higiene e estrutura. No controle dos roedores não se combate somente as infestações internas, mas, principalmente, as externas. Sendo assim, se não solucionar os problemas de acessos e higiene dos locais, a reposição de iscas não para, devido às novas infestações.
Em um edifício descuidado podem aparecer ratos diariamente. Dependendo da região onde se localiza o prédio, como a região central, onde se concentram muitos restaurantes, padarias e lanchonetes, o risco de infestações diárias pode ocorrer independente do mau zelo do prédio.
As iscas utilizadas pelas empresas são de última geração. Iscas rodenticidas hidrorepelentes de dose única e com um dispositivo de segurança conhecido como Bitrex (componente amargo colocado na composição do produto, para evitar que as pessoas, principalmente as crianças, acidentalmente venham a ingeri-los) são muito eficazes. Além das iscas, existem as armadilhas adesivas e gaiolas para a captura de roedores em áreas que possuam animais domésticos.

Moscas, mosquitos e pernilongos
As moscas alimentam-se de qualquer material de origem orgânica (proveniente de seres vivos). Elas costumam expelir uma substância que digere o alimento. Então, ela suga o líquido resultante. Por isso, podem transmitir diversas doenças.
Elas colocam seus ovos em carcaças de animais ou em alimentos em decomposição. As larvas se alimentam e, em dez dias, tornam-se moscas adultas.
Para evitar o aparecimento de moscas, feche bem o lixo; deposite na rua somente quando o coletor estiver chegando para recolher; e lave as lixeiras. 
Não é desagradável acordar com aquele zumbido no ouvido? E quando você sente a picada, dá um tapa na região e olha pra mão com um mosquito esmagado e um pouco do seu próprio sangue? O mais chato deles é conhecido por Culex sp. Ele é o mais comum e ataca durante a noite.
A espécie mais perigosa é o Aedes Aegypti, o famoso transmissor da dengue. Essa doença é causada por um vírus. Os sintomas são febre alta (39-40°C), dor de cabeça e no corpo. Quando não tratada rapidamente, pode matar. Para piorar a situação, esse quadro é quase igual ao de uma gripe forte.
A doença só é transmitida pelo inseto, não existe outra forma. Costuma atacar durante o dia e apenas especialistas conseguem diferenciar o Culex sp do A. Aegypti. Eles preferem colocar seus ovos em água limpa e parada, como a encontrada em vasos, pneus vazios e garrafas.
No combate aos mosquitos e pernilongos, além de produtos líquidos, também é utilizado processo semelhante ao da prefeitura. Esse método é chamado de termonebulização. Ou seja, aplicação espacial através de fumaça química.
Com o perigo da dengue, ocorreram muitas campanhas de conscientização para que não se deixe recipientes com água parada. Porém, esta recomendação não é valida contra todas as espécies de mosquito, que, ao contrário do Aedes Aegypti, preferem águas agitadas ou poluídas.
O incômodo é muito conhecido no verão, em locais próximos a rios. O controle é muito difícil. Em alguns locais, a infestação exige que um carro defumador passe pela área, espantando os insetos com a ajuda de fumaça. A termonebulização elimina os insetos voadores.
Diversas espécies de mosca, assolam a cidade de São Paulo, mas em quase todos os casos elas são eliminadas por uma simples providência com o lixo, armazenando-o em área adequada, em sacos fechados.

Cupins
Os cupins podem ser encontrados em baixo da terra, em móveis de madeira ou até mesmo em áreas onde estavam armazenados papéis. São diversas espécies diferentes, cada uma com seu hábito e preferências. Eles vivem em grupos sociais, nos quais cada indivíduo realiza determinada ação para a manutenção do ninho: os guerreiros defendem, os operários trazem alimentos para dentro do ninho e a rainha produz novos seres.
Na primavera acontece a revoada de siriris que agrava o problema dos cupins. Por isso, todas essas precauções devem ser tomadas. No combate a cupins, são utilizados produtos líquidos modernos de baixo odor, que possuem modo de ação dominó sobre esses insetos. Para um controle efetivo é necessário matar a rainha (ou as rainhas, algumas espécies possuem mais de uma rainha por ninho).

Pulgas
Não são apenas os cães que têm pulgas. Quase todos os mamíferos possuem espécies de pulgas adaptadas ao pêlo e modo de vida. Os animais domésticos trazem suas pulgas pra dentro das residências, onde elas passam a atacar também a pessoa. A Xenopsylla Cheopis, por exemplo, transmite doenças tão graves quanto a peste bubônica.
A utilização de aspiradores de pó é de grande valia, ajudando a eliminar ovos do ambiente.
Caso haja necessidade pode-se usar produtos baseados em metoprene, encontrados a venda em lojas de produtos para animais, para limpeza do ambiente, ou outros produtos eficientes como os de formulação pour on, uma bisnaga que o proprietário aplica no pescoço do animal, que acaba com as pulgas NO ANIMAL (o ambiente continua afetado caso não haja uma limpeza adequada) em poucos dias.



  Untitled Document





Untitled Document

Jornal Sindico News - Editora Santa Luiza Ltda.
Tel: 11 5573-0333 - São Paulo - contato@sindiconews.com.br
© COPYRIGHT 2012 - Todos os direitos reservados
 
950333 visitas
 
Desenvolvido por